publicado por Miradouro de Vila Cova | Quinta-feira, 05 Julho , 2007, 21:07
 
 
 
 
A Flor do Alva vive um momento de grande dinâmica, fruto do desempenho da sua Direcção e da qualidade artística do seu actual Maestro. E a comprovar a dinâmica eis uma nova iniciativa que proporcionará aos vilacovenses, nos finais de Agosto, momentos de diversão e de convívio. E convívio com quem? Pois, precisamente com madeirenses,  vindos da  Camacha. Trata-se da Banda Paroquial de S. Lourenço, que firmou, com a Flor do Alva, um acordo, acordo esse que proporcionará a cada uma das Bandas das Filarmónicas a possibilidade de  se visitarem, precisamente nas próprias localidades a que pertencem. Mas há mais. Os dias em que os madeirenses permanecerem em Vila Cova estarão preenchidos com actividades desportivas, culturais e lúdicas, com destaque para uma tarde de convívio junto ao rio.
.A chegada da Banda Paroquial de S. Lourenço está prevista para dia 29 de Agosto e permanecerá em Vila Cova até 3 de Setembro.
A seu tempo daremos mais pormenores, em especial sobre o programa que festejará a presença destes filarmónicos madeirenses na sempre hospitaleira Vila Cova.
Ficam para já apontamentos que recolhemos sobre a banda Paroquial de S. Lourenço:
Foi fundada a 10 de Agosto de 1973, pelo Revº. Padre António Joaquim Figueira Pestana Martinho. Tem na sua essência o facto inalterável e único em Portugal de ter nascido no seio de uma paróquia. Saliente-se que ela é, ainda hoje, a única filarmónica detentora desse título. O Pároco teve, desde a primeira hora, a seu lado, o Professor Raúl Gomes Serrão, primeiro ensaiador e maestro, e depois do maestro José da Costa Miranda.  Motivou-se os paroquianos para a aquisição dos primeiros instrumentos, que foram pagos mediante a recolha de donativos por toda a paróquia. O estandarte da Banda Paroquial de São Lourenço tem o vermelho e o branco como cores base. O vermelho representa o sangue derramado por S. Lourenço no seu martírio. O branco, por sua vez, é o sinónimo da sua santidade. No centro vê-se a lira musical, bordada a ouro, ladeada pela grelha e pela palma.Quanto ao primeiro fardamento da colectividade, bebeu-se inspiração num quadro de trajes madeirenses pintado em 1941, de cor azul e creme, pintado.  Além das diversas actuações por quase todas as freguesias da Região Autónoma da Madeira, tem esta colectividade efectuado deslocações à cidade de Porto Santo, a diversas instituições de solidariedade social, hotéis, festivais, etc. Nos meses de Agosto e Setembro de 2001, deslocou-se a Portugal continental, primeiro à Vila de Fermentelos, no concelho de Águeda, na sequência de intercâmbio promovido com a Associação Cultural e Recreativa Banda Nova de Fermentelos e, segundo, às freguesias de Arrentela e Fernão Ferro, concelho do Seixal. Deslocou-se a Marrazes no Continente em 2002 e recentemente aos Açores, em 2006.Em 2002, por Decreto de 19 de Março, de sua Excelência Reverendíssima D. Teodoro de Faria, Bispo da Diocese do Funchal, foram aprovados os estatutos desta associação, o que veio confirmar a existência da pessoa colectiva religiosa, BANDA PAROQUIAL DE SÃO LOURENÇO DA CAMACHA. Como pessoa moral, canonicamente erecta, de harmonia com os artigos 3º. e 4º. da Concordata entre Portugal e a Santa Sé.
 
 
 
 
 
 
 
Nuno Espinal

comentários recentes
Pode publicar. Achamos importante que o faça. Obri...
É uma informação muito importante.Espero que não s...
O texto relaciona.se, de facto, com minha tia e ma...
Sim, de facto Maria Espiñal, minha tia, era escrit...
Minha Mãe sempre me disse que a madrinha dela era ...
Uma foto lindíssima.
Olá :)Estão as duas muito bonitas.Ainda bem que a ...
PARABÉNS à nossa FILARMÓNICA!
O post anterior é assinado por mim Nuno Espinal
Não estive presente no jogo e nunca afirmo o que n...
Julho 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
13


24
26
28



pesquisar neste blog
 
subscrever feeds