publicado por Miradouro de Vila Cova | Sexta-feira, 08 Junho , 2007, 15:51

 

DIA 22

 

19 H – Chegada da aparelhagem “Escape Livre”

21 H – Abertura da Quermesse

22 H – Concerto com a Filarmónica Flor do Alva

 

DIA 23

 

09 H – Chegada da aparelhagem “Escape Livre”

14 H – Abertura da Quermesse

15 H – Jogos Tradicionais

22 H – Baile com o conjunto “Dogma” de Avô

24 H – Artista Gabriel (com banda)

01 H – Os “Cana Verde” (Gabriel e Ruizinho)

 

DIA 24

 

09 H – Aparelhagem “Escape Livre”

10 H – Arruada pela Filarmónica Flor do Alva

10:30 H – Missa na capela do Alqueidão

12 H – Procissão que percorrerá as ruas da Vila

15 H – jogos Tradicionais (continuação)

16 H – Concerto pela Filarmónica Flor do Alva

22 H – Baile com o conjunto “Big Boss”

24 H – Surpresa

 

DIA 25

 

09 H – Chegada da Aparelhagem “Escape Livre”

16 H – Piquenique na Capela do Alqueidão

20 H – Encerramento dos festejos

 


publicado por Miradouro de Vila Cova | Sexta-feira, 08 Junho , 2007, 12:17

Deu entrada ontem, dia 7, nos Hospitais da Universidade de Coimbra o Sr. José da Silva, utente do Centro de Dia desta Santa Casa.

O estado de saúde do Sr. José da Silva, que conta actualmente 94 anos de idade, agravou-se nos últimos dias, tendo sido inevitável o seu internamento.

Aguardamos notícias mais precisas sobre a situação e evolução do estado de saúde deste vilacovense, que sempre dedicou à sua terra, em especial à Filarmónica, muito do seu carinho e prestabilidade e desejamos-lhe o mais rápido restabelecimento.  


publicado por Miradouro de Vila Cova | Quinta-feira, 07 Junho , 2007, 15:47

A “Festa do Corpo de Deus”, em Vila Cova, tem um cunho exclusivamente religioso, sendo a sua celebração composta de Missa e Procissão. A Procissão caracteriza-se pela adoração da hóstia, transportada ao longo do percurso habitual dos cortejos religiosos nesta vila.

Como é habitual, a Filarmónica Flor do Alva acompanhou as cerimónias religiosas que marcaram esta festa religiosa, comemorada no 60º dia após a Páscoa, coincidindo sempre numa Quinta-Feira.


publicado por Miradouro de Vila Cova | Quarta-feira, 06 Junho , 2007, 12:46

A foto é de 1963 e tem uma carga nostálgica a transbordar de saudade.

Nela surge Henrique Gabriel, enquanto criança, acompanhado por vilacovenses, infelizmente já desaparecidos.

O Sr. António Leitão, grande vilacovense, o Sr. João Vicente, recentemente falecido e o Sr. José Carlos Antunes, tragicamente falecido por atropelamento, enquanto músico numa saída da Filarmónica.

 

Mais de 40 anos passados e Henrique Gabriel, o menino da foto que já indiciava habilidade para o desenho, tornou-se pintor de créditos reconhecidos no meio artístico de Lisboa.

E aqui deixamos a sugestão: entrem no seu “site” e apreciem a sua obra.


publicado por Miradouro de Vila Cova | Terça-feira, 05 Junho , 2007, 15:55
Aplauso

 

O nosso aplauso para a Junta de Freguesia pelo corrimão que colocou na Ladeira do Rio.

Bom gosto na estrutura escolhida, com traço rústico adequado ao local.

O local torna-se, assim, mais seguro e aprazível e a obra vem valorizar os recantos que já lá existem e que são bem convidativos a momentos de descanso e contemplação  

 

Lamento

 

O nosso lamento pela demora no arranjo do caminho que dá passagem imediata à Quinta do Pinheiral.

Uma chuvada mais e a derrocada total será inevitável, o que impedirá qualquer trânsito automóvel para aquela Quinta.

Vá lá Senhores da Câmara, por favor, mãos à obra antes que chova…


publicado por Miradouro de Vila Cova | Terça-feira, 05 Junho , 2007, 11:45

“Um passeio é sempre um passeio”, ouvia-se de alguém. “Mas quando o destino é Fátima tudo se torna mais especial”.

 

O fervor religioso imperou para alguns. Outros nem por isso, mais interessados em conhecer ou relembrar a imponência de todo o complexo religioso de Fátima.

 

Mas, para todos foi um dia bem passado. E mais uma vez em bom convívio que juntou utentes dos Centros de Dia da Misericórdia de Vila Cova e Casa do Povo de Barril de Alva.

 

Convívios a pedirem continuidade.


publicado por Miradouro de Vila Cova | Segunda-feira, 04 Junho , 2007, 00:17
89 anos de idade…
 
 
Demonstração de Apoio
 
 
Este fim de semana foi pródigo em manifestações de apoio dos Vilacovenses a duas das suas Instituições. Sexta feira passada uma forte claque deslocou-se ao campo da Carriça, em Coja, para afirmar o seu apoio à equipa de futebol. Hoje, dia 3 de Junho, o Povo de Vila Cova deslocou-se maciçamente ao Salão de Festas da Casa do Povo, em prova de total apreço pela “menina dos seus olhos”, a quase nonagenária “Filarmónica Flor do Alva”.
De facto, está criada uma empatia como há muito tempo não era sentida entre comunidade e banda de música e que já dissipou a descrença que chegou a prenunciar o termo da “Flor do Alva”.
 
Presidente e Maestro
 
Para este quase renascimento da Flor do Alva duas são as figuras consideradas como determinantes. O Presidente da Direcção José Raimundo, dinâmico e rigoroso e o Maestro Rui Quaresma, competente e disciplinador, que uniram esforços e cada um, conhecedor e senhor das suas tarefas e dificuldades, enfrentou o desafio e, em conjunto, coadjuvados por uma equipa resoluta, fizeram ressuscitar uma Filarmónica, considerada, na altura, por muitos já moribunda.
Mas a Flor do Alva aí está, ao seu melhor estilo, a dignificar o seu passado e o de todos os que contribuíram, como músicos, maestros e dirigentes para a sua existência e continuidade.
 
A Festa de Aniversário
 
A anteceder a Missa de Acção de Graças, celebrada pelo Padre Cintra, a Flor do Alva percorreu algumas ruas da povoação, entre a sua sede e a Igreja Matriz, interpretando um passo dobrado, acompanhada por muito povo. Às 13 horas teve lugar o almoço que reuniu cerca de 200 convivas, no Salão de Festas da Casa do Povo.
A habitual cerimónia de discursos foi pretexto para os vilacovenses, presentes no Salão, terem tributado estrondosas ovações aos dois grandes obreiros da actual Flor do Alva, José Raimundo e Rui Quaresma.
Usaram da palavra, para além do Presidente da Direcção e do Maestro, o vereador do Pelouro da Câmara, Dr. Luís Paulo, o Dr. Nuno Mata, em representação da Filarmónica Pátria Nova, a Engenheira Cristina Oliveira, em representação da Federação das Filarmónicas da Zona Centro e o Presidente da Junta de Freguesia de Vila Cova, Sr. Alfredo Lourenço.
Presentes ainda, como convidados, vários representantes das várias Instituições Sociais, Culturais e Desportivas da Freguesia e o Presidente da Junta de Freguesia do Barril de Alva, Sr. Rogério Leal.
O Presidente, João Raimundo, aproveitou a ocasião para destacar a colaboração de dois músicos, Fábio Leitão e Carlos Alberto Antunes, que no período difícil da Filarmónica foram inexcedíveis em dedicação em prol da sua recuperação.
Aos executantes com mais de 20 e 50 anos na Flor do Alva foram atribuídas divisas próprias, que os destacam pela sua dedicação à Filarmónica. Os já “cinquentões” são Rogério Fernandes, Artur Fonseca, Alfredo Antunes e José Mota
A Festa prosseguiu com um momento de muita animação, provocado pela concertina do Sr. Fernando Brito que, ao desafio, com cantadores de circunstância, fez rir os presentes com quadras de improviso e bem à moda popular.
Houve depois um pequeno concerto, como não podia deixar de ser, pela Flor do Alva, terminando a Festa em apoteose com o tradicional canto dos “parabéns a você” e o inevitável apagão das 89 nove velas do bolo de aniversário.
 
 
 
 
Nuno Espinal 

publicado por Miradouro de Vila Cova | Domingo, 03 Junho , 2007, 01:16
Torneio de Coja
 
Jornada de 1 de Junho

 


Os sete jogadores do Vilacovense que começaram o jogo foram os mesmos sete que o acabaram. Ora, o nível de exigência físico deste tipo de jogos aconselha a substituições durante um jogo, substituições essas a que a equipa de Vila Cova não poude recorrer, porque o seu “banco” nada mais foi do que um verdadeiro deserto de jogadores suplentes.
Perante este “handicap”, o Vilacovense lutou em desproporção de meios com a equipa adversária, tendo, contudo, superado esta contrariedade com o querer e a capacidade técnica individual dos seus jogadores.
O resultado do jogo, um empate, acaba por se aceitar ainda que a haver um vencedor esse vencedor, em expressão da verdade do jogo, só poderia ser o Vilacovense.  
De facto, se a primeira parte foi equilibrada, a segunda parte foi dominada pela equipa de Vila Cova, havendo inclusivamente a referir remates de Zé Tó e Marco Gonçalves devolvidos, respectivamente, pela trave e poste da baliza dos “Noctívagos”.
Como nota de reportagem assinale-se a forte presença de adeptos corvachenses no Campo da Carriça, o que confere o entusiasmo e crença das gentes de Vila Cova em redor da sua equipa.

Constituição da equipa: Helder Esculcas (guarda-redes); Carlos Gomes (capitão), Paulo Ribeiro, Bruno Carvalho, Marco Gonçalves (marcador do golo do Vilacovense), Luís Carlos e Zé-Tó.

Treinador: José C. Quaresma.

Directores presentes: Carlos Antunes; António Leal; Massagista: Fernando Figueiredo.
 
O Vilacovense mantém o primeiro lugar no Torneio.
 
 
 
 
Marisa Antunes

publicado por Miradouro de Vila Cova | Sexta-feira, 01 Junho , 2007, 20:21
Briosa e Aeroporto
 
 
 
Terminou o nosso concurso que elegia, como vencedor, o clube mais votado no Fórum “As Tílias à Conversa”. Claro, uma mera brincadeira, com o principal intuito de captar conversadores para o Fórum.
Diga-se, em reconhecimento pelo que se passou, que o número de aderentes a esta paródia do Fórum ficou muito aquém do esperado. Seja como for, quem ganhou ganhou e glória seja dada ao grande vencedor, ou seja, a minha "mui grande e nobre" Briosa.
Espelhasse, contudo, o concurso uma sondagem sobre o clube mais representativo da freguesia ou, até, da maioria dos visitantes do Portal e o vencedor seria, sem margem para dúvidas, ou o Benfica ou o Sporting.
Em outro qualquer país da Europa ou mesmo em outro país de um qualquer outro continente, um resultado destes seria, no mínimo, estranho. O normal será os cidadãos escolherem, como seu clube, o clube mais representativo de sua região ou da sua zona. Ora nem o Benfica, nem o Sporting representam nem a região centro, nem o concelho de Arganil e muito menos a freguesia de Vila Cova. Daí…
Mas enfim, de todos os males fosse este o maior.
Só que esta expressão do sentimento clubista reflecte uma característica bem portuguesa. Um muito ancestral “carneirismo” sentimental e pensante. Atentemos só aos “média”.
Clubes de futebol só três, os chamados três grandes. Argumentam que assim tem que ser porque o povo, esmagadoramente, é aos três grandes que adere. Pois é, isto até é verdade, só que os tais três grandes quanto mais são promovidos mais são engrandecidos. Uma verdadeira bola de neve.
Mas mudemos a agulha e passemos a outro exemplo. O futuro Aeroporto Internacional. Diz o Sócrates que bom é na Ota. Vêm logo muitos milhões a dizerem que bom é na Ota, porque é.
Diz o Marques Mendes que não, que bom é lá mais para baixo. E outros muitos milhões dizem logo que bom é lá mais para baixo, porque é.
Diz o Jerónimo que bom é dizer um não ao Sócrates e  um não ao Marques Mendes. E outros, agora já menos, dizem logo que bom é dizer um não ao Sócrates e um não ao Marques Mendes, porque é.
Ora, para mim, escolhi o argumento que me parece o mais independente, a fim de me poder decidir em consciência, como é uso dizer-se. É que entre a profusão e baralhação de argumentos técnicos, ambientais e outros mais, o que mais me acaba por convencer é  um argumento pleno de carga afectiva e que não deixa, ainda assim, de ser racional. Que o aeroporto se construa na zona que melhor sirva a região do meu coração. E como o meu coração puxa para a “região centro” fácil é parceber a minha opção.
E não me fico muito longe dos argumentos da malta do norte. Atenção, só em lógica, há que vincá-lo, porque em localização em nada coincidimos. Para eles,  o aeroporto quanto mais para  sul  for melhor. Pode até ir para Marrocos e então melhor ainda. Confusos perante a aparente contradição? Pois é, a contradição é mesmo aparente e até fácil de entender. É que o badalado futuro Aeroporto Internacional quanto mais lá para o sul se localizar, quanto mais longe do norte estiver, maior dimensão acaba por ganhar o actual Aeroporto do Porto, o Aeroporto Sá Carneiro.
De facto, aquela malta não brinca em serviço...
 
 
 
 
Texto: Nuno Espinal

publicado por Miradouro de Vila Cova | Sexta-feira, 01 Junho , 2007, 15:15

                                                                     Correcção à notícia de 30 de Abril

 

Por lapso referimos que o elemento feminino que pousa em primeiro plano, sendo a sexto a contar da esquerda, é Margarida Ribeiro. Contudo, trata-se, na realidade, de Celeste Cruz.

Em abono da verdade e com os nossos pedidos de desculpas, aqui fica a devida correcção.


comentários recentes
O meu profundo sentir á minha querida amida Sra D....
os azulejos lhe davam valor e beleza. muito perdeu
Pode publicar. Achamos importante que o faça. Obri...
É uma informação muito importante.Espero que não s...
O texto relaciona.se, de facto, com minha tia e ma...
Sim, de facto Maria Espiñal, minha tia, era escrit...
Minha Mãe sempre me disse que a madrinha dela era ...
Uma foto lindíssima.
Olá :)Estão as duas muito bonitas.Ainda bem que a ...
PARABÉNS à nossa FILARMÓNICA!
Junho 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

14




pesquisar neste blog
 
subscrever feeds