publicado por Miradouro de Vila Cova | Quinta-feira, 25 Janeiro , 2007, 22:43

Procedia à digitalização desta foto quando, por um fortuito “clique”, o software me sentenciou: “foto sem qualidade”. Quase fiquei siderado. E tivesse a criatura um pedaço de matéria que fosse, garanto, tê-la-ia reduzido à mais ínfima espécie.

Sem qualidade?

 

Redobrei a ternura que a imagem me desperta. Um por um tentei, uma vez mais, descortinar em cada rosto qualquer sinal que me conduzisse a um nome. Lá está um avô meu e um tio-avô. E mais não consigo decifrar.

 

A foto é de 1918. É o documento mais vetusto da Filarmónica. Claro, nenhum dos fotografados é vivo. Mas foram aqueles mesmos músicos que, na mornidão de uma noite de Abril, daquele ano, pela primeira vez, mostraram ao povo de Vila Cova a  Filarmónica de Todos Nós, a Filarmónica Flor do Alva.

 

Dizem as crónicas, de então, que todo o povo de Vila Cova, em festa, saiu à rua. Noite inesquecível, sublinham. Houve vivas e agradecimentos a dirigentes, mestre e músicos.

 

Pois bem. Quase passados cem anos é altura de prestarmos a todos eles a homenagem que lhes é merecida. E como?

 

Darmos a cada um daqueles rostos o nome que tiveram em vida.

 

Esperamos colaboração. Ajude-nos a descobrir.

 

 

 

Texto: Nuno Espinal


comentários recentes
Mais um homem bom que nos deixa. Há tempo que não ...
A perda de um amigo e a amigo da minha família, de...
Publiquei um comentário sobre o meu tio Zé, não ch...
Tio Zé Torda , descanse em paz e que DEUS o pon...
Tio Zé Torda, descanse em paz e que Deus o ponh...
Caro Dr. NunoFoi sem dúvida uma tarde e uma noite...
Sinceros sentimentos pelo falecimento do Tó Man...
Não foi de Covid
DISTÂNCIA/SEPARATISMO DOS PARASITAS-HORRORIZADOS c...
Foi de Covid-19?
Janeiro 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9
11

20




pesquisar neste blog
 
subscrever feeds