publicado por Miradouro de Vila Cova | Domingo, 07 Janeiro , 2007, 00:54

Quando, por Decreto Lei de Maio de 1834, as Ordens Religiosas foram extintas, os Frades viram-se forçados a abandonar o Convento de Vila Cova. À excepção da Igreja e do espólio a esta adstrito, todo o património que integrava o Convento (edifício, terrenos de lavoura e mata) foi vendido em hasta pública a um adquirente particular. Mas mesmo o espólio, composto, na generalidade, por paramentos e alfaias, foi distribuído por igrejas pertencentes ao arciprestado.

Presumindo um certo facilitismo em todas estas negocietas, o povo de Arganil, com o apoio do pároco, sentiu-se encorajado e tomou a decisão de se dirigir à Raínha, pedindo-lhe bondade e decisão para que o sino da Igreja do Convento de Vila Cova fosse direitinho para a torre da igreja da sua vila, já que o que nesta servia se encontrava necessitado de substituição.

Insensatamente, a Raínha acedeu. Por certo não conhecia a fibra dos de Vila Cova, que logo fizeram chegar ao Paço a devida resposta. "O sino de Vila Cova não sai. Mesmo debaixo de fogo não nos renderemos".  E o sino não saíu.

Moral da história: O POVO UNIDO...Por favor caro leitor: complete a frase.

 


comentários recentes
Mais um homem bom que nos deixa. Há tempo que não ...
A perda de um amigo e a amigo da minha família, de...
Publiquei um comentário sobre o meu tio Zé, não ch...
Tio Zé Torda , descanse em paz e que DEUS o pon...
Tio Zé Torda, descanse em paz e que Deus o ponh...
Caro Dr. NunoFoi sem dúvida uma tarde e uma noite...
Sinceros sentimentos pelo falecimento do Tó Man...
Não foi de Covid
DISTÂNCIA/SEPARATISMO DOS PARASITAS-HORRORIZADOS c...
Foi de Covid-19?
Janeiro 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9
11

20




pesquisar neste blog
 
subscrever feeds