Clique para Ouvir
publicado por Miradouro de Vila Cova | Segunda-feira, 30 Abril , 2007, 22:19
Esqueçam-se rivalidades, que para muitos, e ainda bem, já são passado, e louvem-se boas iniciativas.
Amanhã, dia 1 de Maio, a Junta de Freguesia do Barril de Alva promove mais uma das suas feiras trimestrais, chamando à localidade muitos forasteiros, parte deles meros apaixonados do ambiente feirante, outros mais atraídos pela diversidade de produtos que nestes genuínos mercados seculares se podem adquirir.
Mas há ainda outros motivos a justificarem a ida ao Barril. Para além das típicas e sempre interessantes tendas de artesanato, a tarde será preenchida com animação e cultura. A Flor do Alva vai estar presente e decerto arrastará consigo muitos vilacovenses, que terão oportunidade ainda de assistir às exibições da Filarmónica do Barril e do Rancho Folclórico de Santo António de Alva.
Razões de sobra para uma tarde bem passada.
Notícia: Nuno Espinal/Fábio Leitão
Foto: Zé Santos

publicado por Miradouro de Vila Cova | Segunda-feira, 30 Abril , 2007, 00:35
Olha o Rancho…ai que saudades!..
 
Esta foi invariavelmente a frase. Têm setenta e mais anos, ficam contemplativos, não disfarçam a emoção, enquanto nas memórias fervilham imagens de mais de cinquenta anos.
 
Teve vida efémera o Rancho. Que importa! O Rancho, mais do que o acontecimento que foi, pertenceu a uma época, a um período.
 
 Tempos lindos. É certo que havia pobreza e muita. Mas havia amizade, convívio e diversão..., dizem.
 
A foto passa de mão em mão e as recordações enchem-lhes os sentidos.  
 
Olha, este sou eu. Era ou não um rapaz jeitoso? Esta coitada, já partiu…
 
Este mergulho no Tempo, estas Saudades Sagradas…
 
Nuno Espinal
Foto cedida pelo Sr. Vasco Ferreira
 
Na foto, da esquerda para a direita:
 
1º plano: Genésia Antunes, Emília Ribeiro, Adélia Ribeiro, Albertina Gomes, Emília Mendes, Margarida Ribeiro, Celeste Antunes (falecida) Adelaide Silva (falecida) e Amélia Leitão (falecida).
2º plano: José Caetano, António Fernandes, Fernando Ribeiro, António Gabriel (ensaiador, falecido) Diamantina Ribeiro (falecida) Benjamim Leitão (falecido) António Ribeiro (falecido) e António Mendes (falecido).

publicado por Miradouro de Vila Cova | Sábado, 28 Abril , 2007, 01:27
A publicação de uma lista de donativos recebidos pela Santa Casa de Misericórdia suscitou, da parte de utilizadores deste Portal, a vontade de também poderem contribuir em acções futuras de solidariedade, que possam ser promovidas pela Instituição.
Ora, de entre as necessidades prementes desta Santa Casa, a que assume, neste momento, prioridade, e que se relaciona com a valência do Centro de Dia, é a da compra de mobiliário (cadeiras individuais e cadeirões de 2 e 3 lugares) adequado às condições físicas e anatómicas dos idosos a quem é prestado apoio.
O mobiliário actualmente existente é desadequado e contraproducente em termos anatómicos e de higiene. Cadeiras de matéria plástica , “maples” (maples?) de napa, velhos, rotos e desengonçados. Daí que se torne urgente a aquisição de material que possa servir de forma ajustada os idosos que a Santa Casa serve.
Após consultas efectuadas a fornecedores especializados em concepção ergonómica, conclui-se que o montante a despender rondará cerca de 18.000 Euros, importância um tanto avultada para as posses da Instituição. Contudo, esta despesa, não será de modo algum evitada, já que os objectivos solidários da Instituição se sobrepõem, e desde que realisticamente passíveis de concretização, a todos os escolhos e dificuldades ocorrentes.
É neste sentido que é lançada a campanha de apoio a esta aquisição, campanha a que queremos associar os utilizadores deste Portal.
Esperamos os vossos contributos. Os donativos, ainda que, um a um, possam ser pouco avultados, atingirão, por certo, no seu cojunto um valor aprecável e demonstrativo da solidariedade dos utilizadores deste Portal.
A Santa Casa presta, de momento, apoio a cerca de 50 idosos.
Os contributos podem ser enviados, por transferência bancária, para:
 
NIB:   0035 0105 00000354730 03
 
O Movimento pode ser descrito como “Donativo”.
 
Obrigado pela colaboração.
 
 
 
 
A Mesa Administrativa da Santa Casa da Misericórdia de Vila Cova do Alva.
 

publicado por Miradouro de Vila Cova | Sexta-feira, 27 Abril , 2007, 09:02
 
Exposto numa montra em Coja, o livro “A História do Caminho de Ferro de Arganil” despertou-me atenção.  A curiosidade do título foi, de imediato, impulso para a sua aquisição. Contudo, outra razão, não menor, acorria. O nome do autor, Manuel Fernandes Dias. 
Conheço-o de encontros semanais quando, á volta de uma mesa, se satisfazem, entre amigos, gastronómicos paladares e sabores, a pretexto de momentos bens passados e de boas cavaqueiras. O Sr. Manuel Dias, natural do Pisão, onde reside parte do ano, já atingiu, na idade, a casa dos noventa. Ouvir-lhe relatos do passado é deleitante. Autodidacta, alia à perspicácia e intuição a curiosidade intelectual, predicados que aplica, com paixão, ao estudo de factos, acontecimentos e personagens gerados nos espaços ligados à sua condição de homem da beira-serra.
Foi assim com os artigos, entre outros, que escreveu, no Jornal de Arganil, sob o título “Côja, nos trilhos de João Brandão” e é assim com os 41 artigos, agora compilados em livro, denominados “A História do Caminho de Ferro de Arganil”.
O livro dá-nos em prefácio, assinado pela arganilense e escritora Drª Maria Leonarda Tavares,  tópicos e  razões que nos acicatam à sua leitura, e torna-se até leitura obrigatória para todos os que nutrem sentimentos regionalistas em prol do concelho de Arganil:
 
“…somos obrigados a reflectir, profundamente, sobre o tema que o autor nos propõe. Indica o rumo que teria, de uma forma decisiva e marcante, transformado a vida dos habitantes da Beira-Serra.”
…”Relata o primórdio do caminho-de-ferro em Portugal, acompanha a sua evolução, fazendo sempre o enquadramento político e sócio-económico do país, estabelecendo um paralelo com outros países onde a Revolução Industrial gerava o progresso.
Por razões que são amplamente expostas no livro, a linha-férrea de Coimbra a Arganil foi um sonho que nunca viria a concretizar-se.
A Beira-Serra perdeu uma oportunidade única de se converter num espaço muito diferente.
O autor apresenta um universo enredado nos complexos meandros da política. É um documento que levanta uma série de questões incómodas, que define os contornos da desagregação de um projecto.”
…”M. F. Dias faz-nos sentir a emoção dos acontecimentos, envolve-nos nas teias dos desastres sofridos, na esperança que teima em resistir e no sonho sempre adiado de ouvir o comboio apitar.”
 
 
Nuno Espinal
(O nosso obrigado ao Dr. Fernando Figueiredo pela foto)

publicado por Miradouro de Vila Cova | Quinta-feira, 26 Abril , 2007, 01:15
Longe vão os tempos em que os aniversários do 25 de Abril eram, sobretudo, celebrados com participação popular. Nos últimos anos as comemorações fecham-se em “Salões Nobres” e são alguns “notáveis” a marcar, quase em exclusivo, as presenças. Assim aconteceu no Concelho de Arganil. Os clássicos discursos, as habituais personalidades.
Os representantes dos partidos, com assento na Assembleia Municipal, foram, nas suas intervenções, apologéticos da data festejada, ainda que com mais ênfase Eugénio Fróis, pelo PS. O representante do PSD, Dr. Luís Quaresma, festejando o significado de Abril e o que ele tem representado nas melhorias das condições de vida do povo português, deixou uma ou outra referência crítica, ainda que a sublimação do regime político surgido com o 25 de Abril fosse o tom geral do seu discurso. A destoar do sentido das palavras destes oradores esteve o Prof. Carvalhais, representante da Presidente da Assembleia Municipal, Drª Manuela Ferreira Leite, que não pôde estar presente. O discurso, que proferiu, foi marcado por um ataque a tudo o que tem resultado da acção dos políticos do regime “Pós Abril de1974”, ressalvando, no entanto, o valor da liberdade a qual, como referiu, tem permitido, por exemplo, no concelho de Arganil, a possibilidade de o povo poder escolher para Presidente do Município um “jovem inteligente como o Eng. Ricardo Pereira Alves”.
E foi o Presidente da Câmara que fechou a série de discursos, tendo anunciado a criação do Conselho Consultivo Municipal e anunciado o nome das personalidades que o compõem.
Não deixou de ter bastante significado a cerimónia que antecedeu a sessão no “salão nobre” e que se realizou no largo fronteiro ao edifício da Câmara. Com a presença do Presidente da edilidade a bandeira nacional foi hasteada, enquanto a Filarmónica de Arganil executava o Hino Nacional. A mesma filarmónica que depois brindou os populares presentes com alguns números do seu repertório. Uma actuação muito apreciada, sendo de realçar a presença de muitos jovens naquela banda.
Festejou-se, assim, em Arganil, o 25 de Abril. Foi pouco? Uns dirão que sim, outros que chegou, outros ainda que foi demais. Opiniões a divergirem, mas livres de se manifestarem. Ora aí está. Pelo menos só por isto o 25 de Abril valeu a pena.   
 
 
Texto e fotos: Nuno Espinal

publicado por Miradouro de Vila Cova | Quarta-feira, 25 Abril , 2007, 00:59
Esta é a madrugada que eu esperava
O dia inicial inteiro e limpo
Onde emergimos da noite e do silêncio
E livres habitamos a substância do tempo
 
 
 
Sophia de Mello Breyner Anderson

publicado por Miradouro de Vila Cova | Quarta-feira, 25 Abril , 2007, 00:20
Santa Casa/Donativos Recebidos…
 
 
Em Géneros:
 
Alfredo Silva Antunes: 3 braços de cebolas
Maria do Carmo: 8 Kg. de cebolas
Maria Júlia Cruz: 10 Kg de cebolas
Maria do Céu Lourenço: 4 dúzias de ovos
                                        3 braços de cebolas
                                        7 sacas de batatas
Lúcia Fernandes: 3 cestas de grelos
Armando Gaspar: 3 sacas de batatas
Ernestina Pereira Leitão: 3 Kg. de couves
 
Em Dinheiro:
(para a compra da máquina de lavar louça)
 
Elvira Conceição: 10€
José Mendes dos Santos: 5€
Maria Suzete Neves: 5€
Maria Eduarda Gonçalves: 5€
Maria Helena Gabriel: 5€
Diamantino Santos Simões: 20€
Fernanda Caetano: 10€
José Gouveia: 50€
Drª Margarida Maria Madeira: 75€
Anónimo: 20€
Arminda de Jesus: 5€
Maria Glória Pais: 10€
Anónimo: 5€
Dr. Nuno Espinal: 100€
José Leitão: 4€
Ester Conceição: 10€
 

publicado por Miradouro de Vila Cova | Terça-feira, 24 Abril , 2007, 11:30

Há pouco mais ou menos 30 anos estes sorrisos eram de jovens com cerca de quinze anos de idade. Entretanto, cresceram e foram cumprindo, nas teias de circunstâncias e vontades, rumos do destino. Há quem, por certo, já as tenha reconhecido: a Maria Margarida Ribeiro, a  Drª Margarida d’Abranches Figueiredo e a Helena Alfacinha Duarte.

A foto traz-lhes, porventura, recordações múltiplas, em especial  aquelas que os afectos da memória elegem.

Mas há para esta foto uma legenda que a torna um testemunho a documentar a própria história de Vila Cova: é que as três foram as primeiras mulheres que integraram a Filarmónica Flor do Alva.

A mera referência do acontecimento é por si só um marco. Mas tem um significado que vale pela diferença que suscita. Mentalidades novas, forjadas na evolução dos tempos (e que o então ainda recente 25 de Abril fomentava), a prevalecer sobre atitudes conservadoras, já pouco consistentes neste ajuizar do papel social do género.

Hoje a presença feminina na Filarmónica tornou-se banal. Como tanta coisa mudou! Neste caso ainda bem. Ganhámos todos e a “Flor do Alva”, especialmente, ganhou muito mais valias e… frescura.

 

 

As actuais executantes

 

Liliana Vanessa Madeira Lourenço

17 anos de idade

Residente em Vila Cova

Estudante

Instrumento: Sax Soprano

Rute Andreia Simões Pedrosa

15 anos

Anseriz

Estudante

Sax Soprano

 

 

 

 

 

Texto: Nuno Espinal

Fotografia Antiga: Cedida pela Srª Dª Natália de Figueiredo

Fotos Actuais: Fábio Leitão


publicado por Miradouro de Vila Cova | Terça-feira, 24 Abril , 2007, 11:29

As Actuais Executantes

Ana Carolina Lopes Durão

13 anos

Vinhó

Estudante

Clarinete

Joana Raquel Peres Folques

12 anos

Bobadela

Estudante

Clarinete


publicado por Miradouro de Vila Cova | Terça-feira, 24 Abril , 2007, 11:19

As Actuais Executantes

Dora Cristina Leitão dos Santos

13 anos

Vila Cova

Estudante

Clarinete

Daniela Alexandra Madeira da Costa

14 anos

Deflores

Estudante

Trompete

Fotos: Fábio Leitão


comentários recentes
os meus sentimentos a família
É COM SINCERA TRISTEZA E DESOLAÇÃO QUE VEJO, TAMBÉ...
ola tenho saudades do meu António neves e um grand...
Estes comentários tão sentidos do Nuno e do Zé, es...
Adeus meu Querido Alberto. Obrigado pela tua amiza...
Meu sentinentmis à famílus.awuele amigo abraço ami...
Como sempre, texto a condizer com a realidade dos...
Tão lindos! Beijinhos e boas férias para todos.
Muito bem.abraço a tds vós amigos de longa data
Abril 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
14

16
19

23

29


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds